Anúncio
in

Governo toma decisão e estabelece valor de R$ 303 para grupo de brasileiros

Foto: Reprodução
Anúncio

O governo federal publicou no Diário Oficial da União um decreto que estabelece um valor “mínimo existencial” para a chamada “Lei do Superendividamento“. A regulação foi sancionada no ano passado e passou a fazer parte do Código de Defesa do Consumidor. A nova regra entra em vigor em até 60 dias.

O mecanismo foi pensado para garantir um valor mínimo que não prejudicasse as finanças dos devedores e garantisse sua sobrevivência. Na prática, a criação do mínimo existencial significa que os credores devem optar pela quantia de 25% do salário mínimo durante a negociação de dívidas para que isso garanta a manutenção da subsistência do cidadão.

Anúncio

Considerando o atual valor do piso nacional, em R$ 1.212, o montante estabelecido pelo novo decreto é de R$ 303. Apesar da boa notícia, é preciso ressaltar que existem alguma situações em que o mínimo existencial não poderá ser considerado. Veja quais são elas a seguir!

O que é a Lei do Superendividamento?

A Lei do Superendividamento, nº 14.181/21, propõe mecanismos para os consumidores que têm dificuldade em pagar suas dívidas.

Anúncio

Dentre eles podemos destacar a opção de renegociação de dívidas em blocos, que possibilita à pessoa endividada a chance de se reunir com os credores para encontrar novas formas de pagamento dos débitos vencidos.

Além disso, a lei também permite que o cliente desista de contratar empréstimo consignado no prazo de até sete dias da assinatura, sem precisar indicar um motivo. As novas ordens ganharam força após a crise sistêmica no mercado de trabalho com a chegada da pandemia, em que inúmeras pessoas perderam seus trabalhos e se viram incapazes de arcar com suas dívidas.

Quais dívidas podem ser negociadas?

Anúncio

No geral, as dívidas que podem ser negociadas estão associadas ao consumo, serviços de bancos e contas essenciais. Confira:

  • Contas de energia;
  • Contas de água;
  • Contas de gás;
  • Empréstimos;
  • Crediários;
  • Carnês;
  • Boletos;
  • Contas de telefone.

E quais dívidas não podem ser negociadas?

Em alguns casos, o novo mecanismo Lei do Superendividamento não é aceito. São eles:

  • Pensão alimentícia;
  • Prestação de habitação;
  • Crédito Rural;
  • Produtos e serviços de luxo;
  • Impostos;
  • Tributos.
Anúncio